Breaking News
Loading...
Friday, 7 December 2012

 O que faria se padecesse de uma doença terminal? Esperaria deprimido pelo seu último suspiro? Procurava viver a vida até ao último minuto? Tessa (Dakota Fanning), a protagonista de "Now Is Good", decidiu tomar a opção de viver cada momento como se fosse o último. Com dezassete anos de idade, Tessa padece de leucemia há quatro anos e decide terminar com a quimioterapia. O tratamento permitir-lhe-ia ter mais alguns meses de vida, mas também um desconforto que esta parece não estar disposta a aguentar, pelo que esta prefere ao invés procurar colocar em prática uma lista de experiências que pretende viver antes de chegar o último segundo da sua vida.
Para isso, esta vai contar inicialmente com a ajuda da sua melhor amiga, Zoey (Kaya Scodelario), uma jovem extrovertida com quem vive algumas aventuras, entre as quais experimentar drogas, roubar produtos numa loja, entre outras experiências. No entanto, a grande experiência de Zoey é o momento em que conhece Adam (Jeremy Irvine), um vizinho da sua idade, que passa por um momento complicado da sua vida, após o seu pai ter falecido. Os dois descobrem o primeiro amor, vivem momentos únicos, enquanto Tessa procura desfrutar de todos os momentos próprios da sua idade, mesmo que isso aflija o seu protector pai (Paddy Considine), que sofre cada vez mais por ver o estado da filha piorar, enquanto procura educar esta e o filho mais novo e lidar com a ausência da ex-mulher (Olivia Williams). 
 A certa altura de "Now Is Good", Tessa salienta que a sua vida é um conjunto de momentos. São exactamente os momentos finais de Tessa que acompanhamos ao longo de "Now Is Good". Um conjunto de momentos recheados de drama, algum humor, ternura e romance, enquanto uma adolescente procura viver de forma intensa, embora tenha sempre presente que a morte pode chegar a qualquer momento. Realizado por Ol Parker, o argumentista do surpreendente "The Best Exotic Marigold Hotel", "Now Is Good" não escapa muito às convenções do género da adolescente que transita para a idade adulta, embora tenha como protagonista uma doente em estado terminal, algo que incute um maior dramatismo à narrativa e permite explorar o talento de Dakota Fanning, que surge de forma soberba como Tessa, uma jovem de 17 anos que procura viver nos seus últimos dias de vida um conjunto de experiências próprias da sua idade, onde não falta perder a virgindade, descobrir o amor, experimentar drogas, enquanto a narrativa aborda ainda a relação complicada desta com os pais (o pai demasiado protector, a mãe demasiado ausente) e o irmão (ainda bastante jovem para compreender verdadeiramente tudo o que está a acontecer), bem como a relação desta com Adam.
 Baseado no livro "Before I Die", de Jenny Downham, "Now is Good" não poupa nos elementos de drama e romance entre Adam e Tessa, um romance que está condenado ao fracasso pelo destino que promete tirar a jovem do mundo terreno, mas revela-se um importante baluarte para os dois personagens. Tessa encontra neste o apoio que lhe faltava de alguém da sua idade e o amor incondicional que todos esperam um dia encontrar. Adam encontra em Tessa o verdadeiro amor e um importante apoio para reconstruir a sua alma e o seu ser, após ter saído devastado pela morte do pai. Se o argumento consegue desenvolver relativamente bem o romance entre Adam e Tessa, sempre acompanhado por momentos melosos ou dramáticos, a verdade é que toda esta narrativa beneficia bastante dos bons desempenhos de Dakota Fanning e Jeremy Irvine, dois jovens e promissores nomes da arte da representação cinematográfica que conseguem criar dois personagens que apresentam uma química notável. 
 Não espere uma representação cândida de Tessa. Esta é uma adolescente que procura viver a vida como alguém da sua idade, se possível mais intensamente, ou não estivesse perante os últimos dias da sua existência, enquanto procura desafiar a autoridade dos seus pais, mostrar a sua independência, numa dramática jornada para a idade adulta, na qual Dakota Fanning tem um desempenho magnífico, no qual espelha bem o seu talento para a arte da representação ao expor bastante bem todas as dicotomias da sua personagem. Se Fanning e Irving têm dois desempenhos muito interessantes, o mesmo se pode dizer de Paddy Considine como o amargurado pai de Tessa, proporcionando alguns dos momentos mais intensos do filme (veja-se o momento em que se agarra à filha e revela a sua incapacidade em lidar com o aproximar da morte desta). Com bons desempenhos do elenco, mas sem uma história particularmente inovadora, "Now Is Good" revela a capacidade de Ol Parker em utilizar os clichés do género, enquanto absorve o espectador para o interior de um drama tocante, ou não tivesse no cerne da narrativa uma jovem em estado terminal, que se revela uma personagem simpática aos olhos do público, embora a narrativa use e abuse na tentativa da manipulação emocional do espectador e falhe em desenvolver algumas tramas secundárias (a gravidez de Zoey pouco ou nada acrescenta à narrativa). 
 Com uma emotiva banda sonora, composta por temas como 'Blue Jeans' de Lana Del Rey, 'I Know You Care' de Ellie Goulding, entre outros nomes relativamente conhecidos do público, "Now Is Good" surge como um melodrama tocante no qual as emoções são vividas de forma intensa e insegura, sempre tendo presente o facto da protagonista poder deixar este mundo, uma jovem que deveria estar preocupada com os planos para o seu futuro, mas o seu único plano passa apenas por ficar viva o maior número de dias possível e coleccionar vários momentos que ficarão para sempre marcados no seu ser. Drama intenso, preenchido de momentos de romantismo e profundamente tocantes, "Now Is Good" revela-se o veículo ideal para Dakota Fanning explanar o seu talento, num melodrama que promete provocar algumas lágrimas no espectador mais emotivo. 

Classificação: 3 (3 em 5)

Título original: “Now Is Good”.
Título em Portugal: “Agora Fico Bem”.
Título no Brasil:
Realizador: Ol Parker.
Argumento: Ol Parker.
Elenco: Dakota Fanning, Kaya Scodelario, Olivia Williams, Jeremy Irvine, Rose Leslie, Paddy Considine, Sarah Hadland.

0 comments:

Post a Comment