Breaking News
Loading...
Monday, 17 December 2012

2012 está a ser um ano bom para reunir vários personagens icónicos para lutarem por uma causa comum. Depois de "The Avengers" reunir Homem de Ferro, Thor, Capitão América e companhia, de "Rise of the Guardians" agrupar o Pai Natal, Coelho da Páscoa, entre outras figuras do imaginário popular infantil, é a vez de "Hotel Transylvania" reunir os vários monstros clássicos. É verdade, Conde Drácula, Lobisomem, Frankenstein, Múmia, Corcunda de Notre Dame, Homem Invisível e companhia reúnem-se para uma causa comum. O motivo para a reunião? Perante o 118º aniversário da filha, a jovem Mavis (Selena Gomez), o Conde Drácula decidiu organizar uma festa de aniversário para comemorar a efeméride, reunindo os vários monstros e as suas respectivas famílias no seu Castelo, agora transformado num hotel de luxo, que promete fazer as delícias de qualquer monstro. Bom, se o motivo da reunião destes monstros não parece ser a mais emotiva, acreditem que também não é bem recebida por Mavis, que pretende conhecer o mundo fora do castelo, conhecer os humanos e saber como estes são, algo que gera um temor muito grande junto do seu pai, o líder dos vampiros, embora hoje em dia seja vegetariano (sim está na moda os vampiros serem tipos simpáticos).
 Enquanto os personagens interagem de forma algo caricata no castelo, com o argumento a procurar explorar algumas das idiossincrasias dos personagens e a utilizar as suas características para fazer piadas (não falta o Frankenstein com medo de fogo, a noiva do Frankenstein, as peças do Frankenstein, o cheiro da Múmia, entre muitas outras), o filme logo procura explorar a história de Mavis, a adolescente rebelde que procura conhecer o Mundo fora da sua área de conforto. Se a primeira experiência de Mavis junto dos humanos não corre muito bem, esta logo vai travar amizade com um humano, quando Jonathan, um jovem aventureiro, aparece por engano no castelo e acaba por ficar mais tempo do que o Drácula pretendia, com uma série de mal entendidos a levarem a que o dono do castelo disfarce o humano de monstro, de forma a parecer um parente afastado de Frankenstein, algo que promete trazer muitas confusões, com o estilo de vida aventureiro do rapaz a contagiar os presentes, incluindo o de Mavis, para desespero do pai, que procura afastar a filha do humano e tentar que os outros monstros não descubram que este é um humano.
 Claramente virado para o público mais jovem e para os fãs do estilo de humor dos filmes de Adam Sandler (o produtor e voz do Conde Dracula, figura activa no desenvolvimento do filme), “Hotel Transylvania” surge com um conjunto de piadas soltas que prometem fazer rir os mais novos e por vezes os adultos, mas longe de entusiasmar, destacando-se mais pelo conceito de reunir os vários monstros clássicos e pelo bom trabalho a nível de animação do que pelo argumento elaborado. Num ano marcado por bons filmes de animação capazes de agradar ao público de todas as idades como "Força Ralph", "Frankenweenie", "Zarafa", a primeira longa-metragem realizada por Genddy Tartakovsky revela-se algo pobre em relação às anteriores, sendo incapaz de explorar os monstros icónicos que povoam a narrativa e apresentar uma história que consiga agradar a miúdos e graúdos. 
 Conhecido pela realização de séries de animação como "2 Stupid Dogs", "Dexter 's Laboratory", "The Powerpuff Girls", "Samurai Jack", "Star Wars: Clone Wars", Genddy Tartakovsky tem em "Hotel Transylvania" um filme de animação com um bom trabalho a nível de animação e bem realizado, que se perde em parte devido ao argumento algo pueril e aos excessos de Adam Sandler na voz de Conde Drácula (sobressai quase sempre em relação ao personagem), num filme que promete fazer as delícias dos mais jovens e desesperar alguns adultos. Sem inovar a nível narrativo, sem conseguir explorar o facto de ter como protagonistas alguns dos monstros icónicos do imaginário popular, o filme procura abordar temáticas relacionadas com os clássicos problemas entre os pais e os filhos, as divergências geracionais, o primeiro amor, ao mesmo tempo que é transmitida uma mensagem de tolerância entre as diferentes raças, com a relação entre a vampira Mavis e o humano Jonathan a servir de metáfora para essa mensagem, tal como a maior capacidade dos humanos em aceitarem os monstros (algo que também serve de ironia para o facto dos monstros clássicos terem deixado de ser figuras medonhas), enquanto a narrativa vai sendo povoada de elementos da cultura popular contemporânea que contrastam com os gostos mais conservadores do Conde Drácula.
 Esses elementos da cultura popular surgem não só na figura do personagem que conta com a voz de Andy Samberg, não faltando uma transformação do castelo Drácula no palco de uma discoteca, músicas pop (incluindo um tema de LMFAO; Problem (The Monster Remix) de Becky G e will.i.am, uma cover de Call Me Maybe intitulada Call Me Mavis, entre muitas outras), mas também, claro está, nas piadas de Adam Sandler, um dos grandes problemas do filme. Se gosta de Adam Sandler e do seu estilo de humor, certamente irá ficar deliciado com várias das piadas do filme, se não, o mais provável é que se torne latente o facto de Sandler fazer com que a sua voz sobressaia em demasia ao personagem (muitas das vezes não parece que estamos a ver o Conde Drácula, mas sim Adam Sandler de capa e com as suas vozes irritantes), num filme onde se nota claramente o peso do produtor. Não deixa de ser curioso que com um realizador como Genddy Tartakovsky, uma dupla de argumentistas formada por Peter Baynham ("Borat") e Robert Smigel ("Late Night with Conan O'Brien"), um trio que conta com trabalhos criativos e/ou ousados, surgem em "Hotel Transylvania" com um filme de animação genérico, com pouca imaginação, que consegue apenas esporadicamente despertar alguns sorrisos graças a algumas piadas soltas, mas falha em inovar e ter densidade narrativa. Se Adam Sandler não foi a escolha indicada para o protagonista (o personagem é que tem de sobressair, não quem lhe dá voz), o mesmo não se pode dizer de Selena Gomez, que surpreendentemente dá alguma personalidade a Mavis, de Steve Buscemi contribui para a personalidade algo auto-comiserativa do lobisomem, enquanto Fran Descher surge estridente como sempre na voz de Eunice, a mulher do Frankenstein, com o elenco vocal a ter um desempenho na sua maioria positivo.
 Outrora monstros aterrorizadores, o Conde Drácula, Lobisomem, Frankenstein, Múmia e companhia surgem como seres excêntricos praticamente inofensivos que têm medo dos humanos em "Hotel Transylvania", um filme divertido que promete deliciar os mais novos, mas que partilha o medo de arriscar do seu protagonista, o outrora poderoso Conde Drácula. 


Classificação: 2.5 (em 5)

Título: “Hotel Transylvania”.
Realizador: Genddy Tartakovsky.
Argumento: Peter Baynham e Robert Smigel.
Elenco: Selena Gomez, Adam Sandler, Andy Samberg, Steve Buscemi, Kevin James, Molly Shannon, CeeLo Green, Jon Lovitz.

0 comments:

Post a Comment